Apresentação

Gerar, disseminar e debater informações sobre NUTRACÊUTICOS, sob enfoque de Saúde Pública, é o objetivo principal deste Blog produzido no Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde - LabConsS da FF/UFRJ, com participação de alunos da disciplina “Química Bromatológica” e com apoio e monitoramento técnico dos bolsistas e egressos do Grupo PET-Programa de Educação Tutorial da SESu/MEC.

Recomenda-se que as postagens sejam lidas junto com os comentários a elas anexados, pois algumas são produzidas por estudantes em circunstâncias de treinamento e capacitação para atuação em Assuntos Regulatórios, enquanto outras envolvem poderosas influências de marketing, com alegações raramente comprovadas pela Ciencia. Esses equívocos, imprecisões e desvios ficam evidenciados nos comentários em anexo.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Remédio proibido pela Anvisa é vendido livremente na internet

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária proibiu a fabricação, distribuição, comercialização e uso do remédio desde 2009. Na embalagem não consta o nome do fabricante, nem a fórmula do medicamento. 

video

Um remédio proibido pela Anvisa, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, está sendo usado livremente por brasileiros para tratamento da dor. O medicamento não é encontrado em farmácias, mas tem venda livre na internet.
As dores da tia de Iracema eram muitas.

Até se levantar da cama era um sacrifício: “Ela chorava de dores. Se pendurava em uma cortina da casa dela para levantar da cama e ir ao banheiro”, lembra a manicure Iracema Lira. Então alguém sugeriu que ela desse determinado remédio a Tia. Quem indicou o medicamento informou que era natural , dava alívio imediato e não tinha efeitos colaterais.

O medicamento não está à venda em farmácias, nem tem aprovação da Anvisa, mas basta um telefonema para que se torne possível comprar quantos comprimidos o interessado quiser. Os números estão disponíveis na Internet. A Anvisa, porém, proibiu a fabricação, distribuição, comercialização e uso do remédio desde 2009.

Na embalagem não consta o nome do fabricante, nem a fórmula do medicamento. Os resultados rápidos do remédio despertaram a desconfiança da Universidade Federal de São João Del Rey, em Minas Gerais, “Não é comum remédios naturais apresentarem um efeito tão rápido assim.

Não foi identificado nada de natural nele. Fizemos todos os testes possíveis e encontramos duas substâncias químicas sintéticas no produto”,diz o Farmacologista João Máximo de Siqueira. Ainda de acordo com o pesquisador, a fórmula nem é a mesma nas diversas regiões do Brasil.

O clínico geral Marcelo Tayah alerta para o uso de antiinflamatórios sem acompanhamento médico: “Os antiinflamatórios fortes agridem o estômago, causando gastrite, úlcera e tem potencial também de lesão nos rins, podendo causar uma insuficiência renal aguda e um efeito cardíaco.

Já a cortisona, que é uma outra categoria de antiinflamatório, quando usada a longo prazo, pode causar efeitos como osteoporose, diabetes, hipertensão arterial, lesões de pele, como estrias”. Dona Iracema parou de dar o remédio à tia.

Fonte: Bom Dia Brasil - Edição do dia 18/06/2012
Disponivel em: http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2012/06/remedio-proibido-pela-anvisa-e-vendido-livremente-na-internet.html

2 comentários:

Mariana disse...

Qual é o medicamento proibido? Tomara não seja o valtrex porque preciso comprá-lo esta semana para o meu marido... Acho que se o medico o receitou deve estar na venda.

Natália Pereira DRE: 110083491 Farmácia UFRJ disse...

Infelizmente a legislação brasileira privilegia esta prática, onde os responsáveis muitas vezes sai impune, o maior prejudicado é o consumidor. A ANVISA tenta regular esta prática através da RDC n° 44/2099, onde permite a venda de medicamentos pela Internet, telefone e fax apenas para farmácias que tenham um farmacêutico presente 24h por dia. Existe um material online publicado pela ANVISA que pode ser útil para aqueles que tem dúvidas sobre como comprar medicamentos pela Internet.