Apresentação

Gerar, disseminar e debater informações sobre NUTRACÊUTICOS, sob enfoque de Saúde Pública, é o objetivo principal deste Blog produzido no Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde - LabConsS da FF/UFRJ, com participação de alunos da disciplina “Química Bromatológica” e com apoio e monitoramento técnico dos bolsistas e egressos do Grupo PET-Programa de Educação Tutorial da SESu/MEC.

Recomenda-se que as postagens sejam lidas junto com os comentários a elas anexados, pois algumas são produzidas por estudantes em circunstâncias de treinamento e capacitação para atuação em Assuntos Regulatórios, enquanto outras envolvem poderosas influências de marketing, com alegações raramente comprovadas pela Ciencia. Esses equívocos, imprecisões e desvios ficam evidenciados nos comentários em anexo.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Remédio proibido pela Anvisa é vendido livremente na internet

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária proibiu a fabricação, distribuição, comercialização e uso do remédio desde 2009. Na embalagem não consta o nome do fabricante, nem a fórmula do medicamento. 

video

Um remédio proibido pela Anvisa, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, está sendo usado livremente por brasileiros para tratamento da dor. O medicamento não é encontrado em farmácias, mas tem venda livre na internet.
As dores da tia de Iracema eram muitas.

Até se levantar da cama era um sacrifício: “Ela chorava de dores. Se pendurava em uma cortina da casa dela para levantar da cama e ir ao banheiro”, lembra a manicure Iracema Lira. Então alguém sugeriu que ela desse determinado remédio a Tia. Quem indicou o medicamento informou que era natural , dava alívio imediato e não tinha efeitos colaterais.

O medicamento não está à venda em farmácias, nem tem aprovação da Anvisa, mas basta um telefonema para que se torne possível comprar quantos comprimidos o interessado quiser. Os números estão disponíveis na Internet. A Anvisa, porém, proibiu a fabricação, distribuição, comercialização e uso do remédio desde 2009.

Na embalagem não consta o nome do fabricante, nem a fórmula do medicamento. Os resultados rápidos do remédio despertaram a desconfiança da Universidade Federal de São João Del Rey, em Minas Gerais, “Não é comum remédios naturais apresentarem um efeito tão rápido assim.

Não foi identificado nada de natural nele. Fizemos todos os testes possíveis e encontramos duas substâncias químicas sintéticas no produto”,diz o Farmacologista João Máximo de Siqueira. Ainda de acordo com o pesquisador, a fórmula nem é a mesma nas diversas regiões do Brasil.

O clínico geral Marcelo Tayah alerta para o uso de antiinflamatórios sem acompanhamento médico: “Os antiinflamatórios fortes agridem o estômago, causando gastrite, úlcera e tem potencial também de lesão nos rins, podendo causar uma insuficiência renal aguda e um efeito cardíaco.

Já a cortisona, que é uma outra categoria de antiinflamatório, quando usada a longo prazo, pode causar efeitos como osteoporose, diabetes, hipertensão arterial, lesões de pele, como estrias”. Dona Iracema parou de dar o remédio à tia.

Fonte: Bom Dia Brasil - Edição do dia 18/06/2012
Disponivel em: http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2012/06/remedio-proibido-pela-anvisa-e-vendido-livremente-na-internet.html

Um comentário:

Mariana disse...

Qual é o medicamento proibido? Tomara não seja o valtrex porque preciso comprá-lo esta semana para o meu marido... Acho que se o medico o receitou deve estar na venda.